Influenciador é encontrado esquartejado em mala na Argentina

Influenciador é encontrado esquartejado em mala na Argentina
FERNANDO PEREZ ALGABA - Reprodução/Instagram

O empresário e influenciador Fernando Perez Algaba, conhecido como Alface, foi encontrado esquartejado dentro de uma mala após algumas postagens estranhas nas redes sociais.

Em seu perfil no Instagram, ele tinha quase um milhão de seguidores onde exibia seu estilo de vida luxuoso.

Duas crianças encontraram a mala contendo cadáver enquanto jogavam futebol em Ingeniero Budge, na Argentina, no dia 23 de julho. Algaba de 41 anos foi encontrado dias depois de publocar uma série de mensagens enigmáticas sobre “pessoas más”.

Os investigadores foram chamados e primeiro encontraram os antebraços e as pernas de Fernando. Uma máquina de remoção de lixo foi então usada para recuperar um braço completo, com uma tatuagem na mão confirmando sua identidade.

A análise de impressões digitais posteriormente forneceu mais confirmação.Uma autópsia revelou que ele foi morto com três tiros. As autoridades estão investigando sua morte, mas até agora nenhum suspeito foi identificado.

Fernando estava morando em Miami até o início deste ano antes de viajar para a Espanha e depois voltar para a Argentina. Ele se descreveu como um investidor que vendia e alugava veículos de luxo.

Ele registou várias empresas através de notários nos últimos anos embora uma tenha sido denunciada por fraude, outra não tinha número de identificação fiscal e uma terceira estava em dívida.

Ações judiciais foram abertas contra Algaba com credores perseguindo-o sem sucesso por anos.Em uma postagem na internet dias antes de sua morte, Fernando foi ouvido dizendo:

“É incrível como existem pessoas tão más no mundo que, enquanto você pensa em ajudá-las, elas pensam em destruí-lo”. Outra mensagem que ele enviou dizia: “Olá, mãe, eu precisava clarear a cabeça como sempre. E a partir daqui, estou percebendo duas coisas: que não podemos fugir dos problemas e que os problemas nos seguirão”.

Astrogildo Aécio Nunes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posso ajudar?